Apoiar os Menos Capazes ao Longo do CLTS e Depois do CLTS

Printer-friendly versionPrinter-friendly version

Desde a sua concepção em 1999, o sistema de Saneamento Total Liderado pela Comunidade (Community-Led Total Sanitation, CLTS) alargou-se a mais de 60 países e o resultado foi que milhões de pessoas em todo o mundo passaram a viver em comunidades Livres de Fecalismo a Céu Aberto (Open Defecation Free, ODF). A abordagem afastava- -se dos programas de saneamento assentes em subsídios, que muitas vezes levavam a uma adopção desigual e a um uso parcial desse mesmo saneamento. O CLTS permitia que as comunidades se apropriassem do processo e trabalhassem colectivamente no sentido de se tornarem ODF. Desde que se iniciou a implementação do CLTS em grande escala, porém, surgiram vários desafios. Estão agora a aparecer dados que sugerem a necessidade de apoiar melhor os mais desfavorecidos com instalações de saneamento acessíveis e sustentáveis.

Esta Nota de Reflexão apresenta princípios e pontos de acção que estão a surgir para reforçar o apoio intracomunitário e introduzir mecanismos de apoio externo aos menos capazes quando necessário e apropriado. É um dos vários produtos de um workshop da região Ásia, organizado nas Filipinas pelo CLTS Knowledge Hub e pela UNICEF entre 24 e 28 de Maio de 2017.

Date: 12 October 2017
Institutions: 
Language: